Como melhorar o meu casamento

Tempo de leitura: 6 minutos

A VERDADE

Antes de abalroar as formas como se pode atravessar a abstração, desacordos, e lutas numa correlação, vamos ajuizar o que ocorre no momento em que nos encontramos neste estado de aflição. O que apresento logo após é aquela coisa que certamente você já viveu no momento em que está num padrão de abstração.

Realizar a birra de criança: em determinada altura da alteração, um dos 2 está quieto, enquanto o outro torna-se numa criança. Essa indivíduo torna-se absurdo, surpreendentemente emocional e defensiva. Diz coisas das quais se irá arrepender mais tarde. Dessa maneira que aquela “criança” pare de se apresentar, pouco a pouco irá ficando mais ardor, verificando-se em seguida um fenómeno inédito. Os papeis invertem-se e o outro torna-se agora a criança com birra.

Atenção, análise, identificação – No momento em que se entra no forma de criança com birra, estamos à busca de atenção, análise e identificação. O nosso estado emocional possui a sua raiz na necessidade que possuímos de buscar abono para aquela coisa que é fundamental para nós.
Amor-próprio e auto-centramento – no momento em que a nossa birra de criança se expressa, tornamo-nos egoístas e auto-centrados. Não conseguimos supervisionar visto que justificativa o nosso parceiro não alcança o nosso ponto de ideia. Quanto mais nos esforçamos, pouco o outro pode estar abaladiço aquela coisa que nos está a aborrecer. Neste estado, não conseguimos colocar-nos no ponto de ideia do outro, não levamos em consideração os seus sentimentos, e esquecemo-nos que ele similarmente está agravado e padece com a situação.


Entendimento de vítima – no momento em que estamos neste estado, sentimo-nos como vítimas. A nossa mente foca-se nas provas que suportam a nossa história de vitimização. A mente é ávida em desenvolver histórias coerentes, e no momento em que nos encontramos num estado de inabilidade, vamos acertar tudo o que nos for possível para absolver aquela coisa que estamos a sentir, necessitamos de sentir que há causas para estarmos a comportarmo-nos daquela forma.

Em vista disso a outra indivíduo parece-nos a que não está a ser aceitável. Sentimo-nos magoados, e vemos cada vez mais causas para a nossa dor. Pode-se dizer que num certo nível de inconsciência, passa-se a acomodar-se com daquele acontecimento, uma vez que de pela certa maneira gostamos da dor que sentimos, dado que permite-nos demonstrar na acme o papel de vitima.

Alimentamos os nosso medos e receios de que a vida é ensejo de relacionamentos dolorosos e que ninguém nos acha.

Certamente e errado – superficialmente, a combate pode definir-se ao conjunto de argumentos que confirma quem está certamente. Um dos parceiros acredita ter justificativa e que o outro está errado.

O atrito, depressa transforma-se numa combate de egos. Tem-se uma forte e emergente necessidade de atestar ao outro que estamos certos.
Emoções engarrafadas – no papel de criança com birra vai-se expressando os pensamentos auto-centrados que invadem a mente. As emoções engarrafadas na cave da nossa mente são a pleito desses pensamentos, que na realidade na grande maior parte das vezes não estabelecem qualquer forma de correlação com a situação que se está a desenrolar.

Todos transportamos em nós algumas emoções que estão comprimidas, não se manifestando nas situações normais do dia-a-dia, e por esse inclusive razão não possuímos alma delas. A não ser nestas situações de adágio preocupação.

Acepção novo – possuímos propensão para pegar em algumas palavras expressas pelo outro, saltando para conclusões, assumindo-se o pior. Encontra-se um acepção que nos serve, porém que na verdades não é o autêntico acepção das palavras transmitidas pelo outro. A indivíduo diz a si próprio que esse acepção é absoluto, e certo. A verdade é que todos nós em determinada altura portamo-nos de maneira absurdo, dizemos todo o forma de coisas que não diríamos se não tivéssemos num estado emocional modificado.
Diferenças entre os sexos – os homens são tão emocionais e sensíveis quanto as mulheres. A diferença está na maneira como homens e mulheres se expressam, e ou seja frequentemente mal acertado.

Apresento-vos logo após algumas diferenças. Entretanto deverá provocar em consideração duas coisas enquanto lê:

1) ou seja uma generalização e nem sequer todos as indivíduos poderão encaixar-se;

2) no momento em que me refiro às mulheres ou homens, refiro-me às características e tendências femininas ou masculinas e não ao género.

Como mulher – as mulheres tendem a ocultar os seus pensamentos. No momento em que estão aborrecidas ou chateadas com algo, assumem que a outra indivíduo pode ler mentes, e por causa disso deveria entender exatamente aquela coisa que estão a julgar sem que fosse preciso verbalizar.

Geralmente verbalizam algumas pequenas dicas no momento em que estão nesse estado. Ou seja surpreendentemente desagradecido e abusivo para a outra indivíduo, dado que até pode desejar auxiliar, porém não pode perceber como, nem sequer supervisionar visto que justificativa a parceira está tão zangada. Na inabilidade do parceiro não perceber as pistas ou dicas, a mulher encontra-se também mais zangada e magoada.
Como homem – os homens tendem a ser mais verbais, pensando alto. O homem até pode internalizar alguns dos seus sentimentos, porém os seus pensamentos são exteriorizados por intermédio da palavra.

Visto que os homens verbalizam os seus pensamentos, arranjam fácil complicações com a parceira da sua vida, dado julgarem que não irão magoar com aquela coisa que dizem. A agremiação condiciona o homem a ter um ego macho-alfa, que se comporta como se fosse uma taipa, defendendo a candura e a vigor dos seu carácter.

Esta vigor define os seus pensamentos, mantendo as suas emoções invulneráveis e bem guardadas.

O homem é bastante mais perspicaz e abaladiço que a agremiação o admite. O homem possui a personalidade para perceber no momento em que a sua companheira está amargurado e com certeza ajudar para a sua felicidade ou convalescença do bem-estar entre os dois. Entretanto, a propensão é que a parceira não colabore, uma vez que não transmite as suas causas de maneira clara e simples.

Comente com seu Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *